PDGC chega ao quarto ciclo

Lançamento da nova etapa do programa do Sistema OCB em parceria com a FBQ foi realizado em Belo Horizonte

Mais de 350 cooperativistas de 23 Estados, entre presidentes, conselheiros, superintendentes e gestores, participaram do lançamento do 4° Ciclo do Programa de Desenvolvimento da Gestão das Cooperativas – PDGC do Sistema OCB, etapa que, segundo Jairo Martins da Silva, presidente Executivo da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) – instituição parceria do Sistema OCB no desenvolvimento do PDGC – já atesta o sucesso da iniciativa.

“Pela experiência da FNQ neste tipo de programa, o programa se destaca pelo fato de termos uma customização do MEG para todos os segmentos de cooperativas, desde uma cooperativa de reciclagem de materiais até uma cooperativa de crédito. São ramos de atividades diferentes que utilizam os mesmos critérios de excelência, demonstrando que a busca da excelência é uma questão de escolha para um objetivo maior, que é o bem-estar da sociedade”, constatou.

O Sistema OCB, “consciente da importância da boa gestão para o desenvolvimento sustentável das cooperativas, tomou a iniciativa de adotar o Modelo de Excelência da Gestão (MEG), da FNQ, num abrangente Programa de Excelência, o PDGC, que já inicia o seu 4º ciclo”, explicou Jairo Martins, ao lembrar que “a conscientização e a consequente adesão das cooperativas ao programa têm evoluído ano a ano”, creditando o resultado à capilaridade e à abrangência do Sescoop: “o PDGC já atingiu todo Brasil, criando assim uma sólida base de conhecimento da importância de gestão para a excelência, para o desenvolvimento do Brasil. Este é, no entendimento da FNQ, o grande valor gerado por esta parceria de êxito indiscutível”.

Gestão na crise

Responsável por um painel que enfocou “Desafios para alcançar bons resultados no negócio”, Jairo Martins definiu como razão de ser de qualquer empreendimento a transformação de recursos em valor para a sociedade. “O desempenho de uma organização é medido pela eficiência e pela eficácia desse processo. Este é o papel da boa gestão.

Jairo martins

Jairo Martins da Silva, presidente Executivo da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ)

Em cenários de crise, turbulentos e imprevisíveis, é imperativo que as organizações adotem um modelo de gestão sistêmico, cuidando de todos os aspectos, desde a liderança, passando pelas estratégias, planejamento, processos, pessoas, conhecimento e informação, até a geração de resultados”, definiu, explicando que “tudo isso precisa estar alinhado às expectativas e ao foco do cliente e das partes interessadas, que, no caso das cooperativas, é o cooperado”.

A atenção da liderança em tudo o que ocorre no seu entorno foi definida por Martins como principal ponto e o caminho para o gestor de uma cooperativa evitar ser pego de surpresa. Em segundo lugar, listou “olhar a organização sob o ponto de vista do cliente, ou seja, de fora para dentro. Dessa forma podemos identificar os gargalos e as barreiras internas, que devem ser eliminadas”.

Em outras palavras, a organização precisa entender que o cliente sempre busca benefícios e utilidade a um custo justo. “As empresas quebram porque olham os seus processos de dentro para fora e não de fora, isto é, do ponto de vista do cliente, para dentro. A busca permanente da excelência é o que promove a evolução das pessoas, a perenidade das organizações e a construção de uma sociedade mais consciente e engajada são condições para um País, ético, sustentável e justo”, constatou o presidente da FNQ.

Excelência: a alternativa

A seguir, o presidente da FNQ definiu os próximos passos – “aumentar, cada vez mais a adesão das cooperativas ao PDGC, abrangendo cooperativas dos diversos setores e de todo o território nacional” – e discorreu sobre a tendência de o cooperativismo “ser a saída para a recuperação da economia brasileira, que precisa sair desta crise, ao mesmo tempo, política, econômica, ética e de valores. Tendo sido criada aqui mesmo, a solução tem que ser gerada aqui, e o Cooperativismo surge como um elemento-chave para o desenvolvimento do Brasil”.

O importante, frisou Martins, “é nos apropriarmos da ideia de que o Brasil tem jeito e a saída é por meio da busca contínua da excelência, sejam empresas públicas, privadas, com ou sem fins lucrativos e governos federal, estaduais e municipais, o que só se dará por meio da boa gestão. A excelência de uma organização depende fundamentalmente da sua capacidade de perseguir os seus propósitos em completa harmonia com o seu ecossistema, buscando operações economicamente rentáveis, ambientalmente corretas, socialmente justas e eticamente transparentes”.

O evento

Realizado em 1º de abril, no Espaço de Eventos da Unimed-BH, em Belo Horizonte (MG), o evento foi promovido o Sistema Ocemg em parceria com o Sistema OCB.

“Minas Gerais é um resumo do Brasil, pelas suas características das diversas regiões dentro do Estado. Assim, podemos usá-lo como exemplo: o que acontece aqui em relação ao PDGC acaba nos ajudando a prever o que acontecerá no restante do País”, frisou Márcio Lopes de Freitas, presidente do Sistema OCB, ao explicar a escolha de Belo Horizonte para sediar o evento.

“Nossas cooperativas atuam com ética e nossos dirigentes estão em constante aperfeiçoamento, seja em programas como o PDGC, o Lidercoop, o Formacoop, o Formacred,  Educa OQS, entre tantos outros, oferecidos pelos Sistema Ocemg e pela nossa Unidade Nacional”, lembrou Ronaldo Scucato, garantindo que “as cooperativas mineiras querem se organizar para cumprir seu destino que é ser a melhor instituição possível para o seu quadro social”.

Após a abertura, aconteceu Palestra Magna proferida pelo colunista da Folha de São Paulo e comentarista de política e assuntos internacionais da Globo News, Demétrio Magnoli, que buscou explicar o cenário histórico que levou ao período vivido atualmente no País: “estamos vivendo um descompasso entre o fim de um ciclo econômico e o fim de um ciclo político, já que a economia dá sinais claros de fechamento de uma etapa, mas a questão política ainda se arrasta por aqui”.

Na sequência, o filósofo Mário Sérgio Cortella falou sobre a influência dos líderes na gestão das organizações e no bem-estar das pessoas, destacando a importância do PDCG na capacitação da liderança, para que ela torne mais tranquila a vida dos cooperados e das comunidades.

Houve, ainda debates sobre a importância da gestão e governança para a perenidade dos empreendimentos e a respeito do tema Líderes que entregam resultados e valores, com a apresentação dos cases da Unimed Circuito das Águas, vencedora da categoria Ouro do prêmio Sescoop de Excelência de 2015; e o case da Natura, exemplificando uma empresa de referência nacional cuja gestão é organizada segundo a metodologia do MEG, com a gerente de Sociobiodiversidade do Programa Amazônia, Renata Puchala.

Adesão e novidades

O lançamento do quarto ciclo do PDGC foi antecedido de treinamento nacional ministrado pelo Sistema OCB em Belo Horizonte nos dias 30 e 31 de março. O curso e o evento do dia 1ª de abril foram seguidos, em 6 de abril, do período de inclusão de cooperativas ao ciclo 2016-2017 do programa, que traz como novidade a ampliação do nível de maturidade da gestão. Do ciclo 2013 ao ciclo 2015, o Sescoop adotou somente o nível Primeiros Passos. A partir de agora, dois novos ciclos foram adotados: Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência.

Compromisso com a excelência é aplicável às cooperativas em estágios iniciais de evolução do seu sistema de gestão e começando a medir e a perceber as melhorias nos seus resultados. Já Rumo à excelência: aplicável às cooperativas cujo sistema de gestão está em franca evolução e que já demonstrem competitividade e atendimento às expectativas das partes interessadas em vários resultados.


Lançado Manual de Boas Práticas de Governança

Para auxiliar o movimento cooperativista com práticas fundamentadas nos valores do cooperativismo e nos princípios da boa governança, contribuindo para o aprimoramento de todas as esferas cooperativistas (organização estadual, federações, centrais e singulares), bem como com os profissionais envolvidos na responsabilidade da gestão, o Sistema OCB lançou a primeira edição do Manual de Boas Práticas de Governança para Cooperativas, que está disponível para download gratuito no portal da organização das cooperativas.

O manual apresenta proposições de boas práticas a serem adotadas na relação com o associado e com os órgãos de administração e fiscalização, auditoria, ouvidoria, dentre outros, buscando exemplificar com ações e medidas já adotadas por cooperativas integrantes do movimento cooperativista brasileiro.

Versão mineira

Pensando na participação significativa das cooperativas mineiras no Programa de Desenvolvimento da Gestão das Cooperativas (PDGC), o Sistema Ocemg detalhou em uma publicação intitulada Boas Práticas Cooperativistas em Minas Gerais, os resultados obtidos ao longo dos três ciclos do programa. A obra também registra as boas práticas das cooperativas mineiras vencedoras do Prêmio Sescoop Excelência de Gestão 2013 e 2015. Demonstra, ainda, bons exemplos e as vantagens de uma gestão profissionalizada, faz um recorte sobre o PDGC em Minas Gerais, passando pelo Prêmio Sescoop de Excelência de Gestão, até culminar nas Boas Práticas das cooperativas mineiras premiadas.

 

Tags:  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

BOLETIM SEMANAL

Receba o Informativo MundoCoop com as principais notícias do setor cooperativista.

Scroll to top